fbpx
Anderson Costa

Por Anderson Costa

Jornalista com especialização em planejamento de comunicação digital. Um curioso permanente.

Hoje ter um site responsivo é uma boa prática presente em boa parte dos profissionais que desenvolvem sites. Isso é extremamente saudável num mercado dominado por smartphones. Porém, a lógica de trabalho pode estar errada do ponto de vista de negócio. Explico o porquê neste texto.

Apresento a vocês dados atualizados do Kantar Ibope TGI (Target Group Index), liberado anualmente pelo grupo Kantar Media Ibope e que tem sido de grande apoio aos profissionais de Mídia e Planejamento dentro das agências e anunciantes brasileiros. Clarifico um dado em específico: a evolução do potencial de cobertura ao longo dos anos dos principais meios de comunicação no Brasil.

grafico-001-adaptando-seu-site-para-formato-responsivo-voce-devia-pensar-da-forma-contraria

Observem o seguinte: as curvas de queda ou crescimento dos meios tradicionais de comunicação, em termos de cobertura nacional, já andam conforme esperávamos – TV aberta perdendo espaço, mídia impressa em queda livre, etc. Porém, observem o que acontece com nossa área de interesse nesse artigo. A cobertura de acesso à internet via desktop, que reinava absoluta há 5 anos atrás, perdeu quase 30% dessa fatia. Justamente para o mobile, que tinha 14% do share em 2013 e nos dados de 2017 já mostra 67% de cobertura. Maior que o rádio, já encostando no Out of Home (mídias externas como relógio, outdoors, etc) e correndo atrás da TV aberta. Mas mais importante: o DOBRO do acesso via internet no desktop.

Voltemos nossos olhos para outro indicador importante do mercado. A pesquisa TIC Domicílios realizada anualmente pelo
Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br), que mapeia o uso de tecnologia nos domicílios urbanos e rurais do país e as formas de uso destas tecnologias por indivíduos de 10 anos de idade ou mais. Observemos os dados referentes a 2017, quando vemos usuários de internet no Brasil por dispositivo utilizado.

grafico-002-adaptando-seu-site-para-formato-responsivo-voce-devia-pensar-da-forma-contraria

Novamente, os mesmos recortes apresentam a mesma tendência. O acesso à internet via computador (desktop) perdeu quase metade do share, enquanto o telefone celular ganhou 20% em 4 anos.

Concluímos, então, que hoje o smartphone/celular é a principal forma de acesso do brasileiro à internet com esses dois fatos, correto? Pois bem, voltemos aos sites responsivos. E à provocação inicial deste post.

Se a principal forma de acesso à internet de seu público é móvel, por que você pensa em adaptar um site desktop, e não criar para mobile primeiro? Por que não priorizar o primeiro ponto de contato do seu público com seu site, e não o segundo?

É importante começarmos a pensar na experiência do usuário a partir do seu principal ponto de acesso. Especialmente pensando na jornada do consumidor do seu negócio. Se ela passa frequentemente pelo uso de dispositivos móveis, é esse ponto de contato que merece a maior atenção, e não o contrário.

Isso se aplica ao seu negócio? Provavelmente sim. Claro, é preciso validar essa hipótese. Observe a audiência do seu site atual via Google Analytics, especialmente por dispositivo e pelos momentos de acesso ao longo do dia. Leve em conta também o perfil do seu público – faixa etária, perfil de renda, por exemplo. Mesmo em divisões de idade e renda diferentes, o acesso a mobile pode até ser maior. Especialmente em público jovens e profissionais em deslocamento constante.

Se o acesso via dispositivo móvel é grande parte da jornada diária de contato do seu consumidor com seu conteúdo/produtos, pensar em uma melhor experiência mobile está na sua lista de prioridades neste momento.

Esse artigo é útil para alguém? Compartilhe!

Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on pocket
Pocket
Share on email
Email
Share on print
Print

Gostou do artigo? Comente o que achou!